Médicos consagram-se ao Sagrado Coração de Jesus

Ao final da manhã de 22 de junho, o Papa Francisco recebeu em audiência a Federação Internacional das Associações de Médicos Católicos (FIAMC) - que a AMCP também integra - cujos membros vieram a Roma para, no dia 21, se consagrarem ao Sagrado Coração de Jesus.
A reportagem da VaticanNews destaca que o Santo Padre exortou os médicos a exercerem a sua profissão a exemplo de Jesus, “o médico e irmão dos que sofrem”, e recordou-lhes que "curar significa iniciar um percurso: um caminho de alívio, consolação, reconciliação e cura".

Livro "Reflexões sobre Ética Médica"

A 11 de maio foi apresentado, em Lisboa,  por D. Manuel Clemente, o livro “Reflexões sobre Ética Médica”. 

Durante a apresentação, o Cardeal Patriarca de Lisboa sublinhou a importância da adequação à verdade também no contexto da Ética Médica: “A verdade é a adequação da mente ao objeto, é uma realidade que se impõe à qual eu depois adiro. (…) Porque não nos adequamos, lavamos daí as mãos – não é o ato higiénico é o ato moral. (…) O silogismo ‘Eu quero/apetece-me; Tecnicamente é possível; Logo, tenho direito’ é redutor”. Ler mais...

Segunda sessão do Curso de formação em Ética Médica agendada para 19 de outubro

tica mdica 2 save the date

A Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP) realiza a 19 de outubro, no Anfiteatro do Instituto São João de Deus, em Lisboa, o 2.º Módulo/Sessão do Curso de Formação em Ética Médica. A participação é aberta a todos os interessados. O período para inscrição será anunciado em breve. Ler mais


* Maio de 2019

julio tudela

JULIO TUDELA CUENCA

Em primeiro lugar, professor Julio Tudela Cuenca aceite o nosso agradecimento pela brilhante conferência que apresentou na sessão de formação em Ética Médica, a 11 de maio em Lisboa, intitulada “Reprodução Artificial: aspetos biomédicos e éticos”, que recebeu o aplauso dos participantes e da direção da AMCP e que contribuiu muito positivamente para o sucesso da sessão de formação.

Para que o possamos conhecer um pouco melhor e ao seu trabalho, convidamo-lo para um conjunto de perguntas; muito lhe agradecemos por aceitar responder-nos.

É professor da Universidade Católica de Valência. As suas raízes familiares são dessa região de Espanha? 

A minha mãe era farmacêutica e talvez esteja na origem da minha vocação. Desde o início, fui atraído pelo laboratório, o que me levou a especializar-me em Análises Clínicas.

julio tudela esposa

Em Lisboa esteve acompanhado da sua esposa. Alguém da sua família o segue na profissão?

A minha esposa trabalha em casa, cuida da nossa família.
Entre os filhos, tenho um médico psiquiatra, dois enfermeiros, uma fisioterapeuta e dois terapeutas ocupacionais, bem como uma pedagoga e um engenheiro.
Parece que nossa filha mais nova, que começa para o ano a universidade, quer estudar Farmácia.

Como foi o seu percurso de Farmácia para a Bioética? 

Exerço como titular numa farmácia comunitária, num laboratório de análises clínicas e como professor na universidade. Desde sempre me preocupei na minha profissão com as questões bioéticas, que afetam seriamente todas as profissões da saúde, e, quando tive a oportunidade de fazer minha tese de doutoramento, após concluir o Mestrado em Bioética, direcionei a minha pesquisa para o campo da bioética.

É diretor do Mestrado em Bioética da Universidade Católica de Valência, além de professor. Sente que os temas da bioética interessam mais ou menos do que antigamente à comunidade de estudantes?

A bioética é um assunto de interesse crescente. No entanto, a formação dos nossos alunos em questões de bioética continua deficiente. Ainda assim, muito mais deficiente está noutras universidades, e são muitos os profissionais que manifestam uma desconcertante ignorância neste campo.
Em geral, os alunos e os profissionais sentem-se muito atraídos por esta matéria quando a conhecem, através de cursos, conferências, simpósios, etc.
A minha impressão é que as dúvidas sobre os dilemas bioéticos existem em todas as consciências, mais nos profissionais de saúde e nos estudantes destas áreas, e que sua abordagem é sempre recebida como uma ajuda; daí a boa resposta geral quando essas questões são abordadas. Não obstante, há que referir que não é pequeno o número de profissionais e estudantes que se recusam a abordar dilemas éticos a partir dos fundamentos bioéticos, preferem optar por postulados pragmáticos e utilitários, deixando de lado toda a consideração ética.

Algo mudou nas abordagens temáticas e nos métodos de investigação, desde o tempo em que o professor começou o seu trabalho nesta área?

Uma das características da bioética moderna é a necessidade de atualização constante. Embora os postulados morais que defendem o respeito à vida e à dignidade humanas não mudem, os novos desafios colocados pelos avanços científicos, de maneira vertiginosa, apresentam novas possibilidades e também riscos, e exigem novas abordagens a partir de posições bioéticas bem fundamentadas.

os trs autores

Justo Aznar, Lucía Gómez Tatay e Julio Tudela assinaram dois artigos do livro "Reflexões sobre Ética Médica", apresentado em maio em Lisboa. 

 É bem conhecida no meio a sua profícua atividade profissional, com muitas publicações de livros e participação em conferências. Qual a sua obra/trabalho que até ao momento mais se destacou?

No Instituto de Ciências da Vida da Universidade Católica de Valência, liderado pelo professor Dr. Justo Aznar, sempre procurámos estar na vanguarda da pesquisa bioética, que é multidisciplinar por definição. Pessoalmente, tenho trabalhado mais em questões éticas de contraceção humana e, especificamente, em contraceção pós-coito, por ser um campo muito polémico e debatido, no qual existe uma forte manipulação da informação.
Outros tópicos, como a ideologia de gênero e a transexualidade, a maternidade substituta, a medicina regenerativa e a eutanásia têm sido também os meus campos de estudo.

Qual a importância do papel da Ética/Bioética para o futuro da humanidade?

O progresso científico e médico se colocado à margem do marco bioético bem fundamentado no respeito pela dignidade humana pode tornar-se um retrocesso para a humanidade. O que pode parecer um grande progresso pela novidade das possibilidades técnicas oferecidas, é, na verdade, um risco e um empobrecimento para o ser humano, que pode ver a sua liberdade e direitos, especificamente o direito à vida, quebrados/limitados.
A bioética deve ajudar a discernir se o que parece ser um progresso científico o é na realidade, por ajudar a dignificar as pessoas ou se, pelo contrário, de uma forma ou de outra, as ataca. Por isso, a rigorosa formação científica e ética é essencial para todos nós que nos dedicamos à bioética.

Em específico sobre a sua área de investigação, a posibilidade técnica dos embriões congelados continua muito em discussão? Pode sintetizar-nos o seu ponto de vista?

É um problema dramático e insolúvel. O mal é feito a partir da produção de embriões supranumerários que nunca serão implantados. A única solução parcial é implantá-los em mulheres que querem adotar, embora se tenha objetado contra essa decisão o fato de que ela suporia uma maneira de "legitimar" a geração contínua de embriões em técnicas de reprodução assistida. A obtenção de embriões in vitro deve ser cessar urgentemente, pois é um dos maiores ataques contra a vida e a dignidade humana da história. Somente em Espanha existem mais de 500.000 embriões congelados, sem chance de sobreviver. O seu uso como material de pesquisa não é eticamente aceitável.

Como avalia então as opções éticas atuais do tratamento da infertilidade?

Qualquer intervenção ou tratamento médico para tentar restaurar a fertilidade para casais com problemas de infertilidade deve ser feito da maneira mais eficiente possível. Mas isso não significa que o ambiente natural da conceção, o abraço amoroso do homem e da mulher, possa ser substituído pela manipulação de gametas no laboratório, como com as técnicas de reprodução assistida.
Avanços na ginecologia, endocrinologia e andrologia, juntamente com novas propostas como NaProTechnology e o uso de métodos naturais de regulação da fertilidade, representam alternativas de vida válidos e respeitosos da dignidade humana e a "ecologia" da sexualidade humana, envolvendo a união generosa de duas pessoas que se amam e responsavelmente aceitam a possibilidade de dar a si mesmo e acolher as crianças que podem nascer dessa relação.
A criança não é um direito, para cuja concretização vale qualquer meio, mas um presente. Também uma responsabilidade. A adoção pós-parto é uma opção plausível para casais que não podem conceber após terem sido submetidos a um tratamento para restaurar a fertilidade. O filho é detentor de direitos, como o direito à vida, a uns pais e a uma família, a não geneticamente modificado, programado ou desenhado, e a não ser descartado quando tem uma deficiência.